pedrolourenco:

monday!

pedrolourenco:

monday!


Há 1 semana with 120 notas
originally pedrolourenco
poorhornycat:

sunscorchx:

Somebody tried to stump this squid by putting it in front of a background that its camouflage mechanisms could never hope to imitate…
So it turned itself transparent.

stick it to the man, Squid.

poorhornycat:

sunscorchx:

Somebody tried to stump this squid by putting it in front of a background that its camouflage mechanisms could never hope to imitate…

So it turned itself transparent.

stick it to the man, Squid.


Há 2 semanas with 197.185 notas
originally sunscorchx
Estão lutando cabo de guerra pelos meus livros D: q

Estão lutando cabo de guerra pelos meus livros D: q



Há 3 semanas with 34 notas
originally ringokotomi

I love playing Brienne of Tarth because, when I was growing up, I didn’t really see people on television that I felt that I could identify with. Women all looked kind of a particular way, women characters that were popular, anyway. And when I had the opportunity to play this part, it made me explore the parts of myself I had hidden from. I had very long hair. I wanted to look very feminine, really tall. (x)

(Fonte: rubyredwisp)


Há 3 semanas with 30.681 notas
originally rubyredwisp

thelingerieaddict:

The Corset’s Effect

Photo Credits: 

1. corset, 1750-75, from Metropolitan Museum of Art | Portrait of Grand Duchess Maria Fiodorovna by Alexander Roslin, 1777

2. corset, 1839-41, from Metropolitan Museum of Art | Marquise de Béthisy as Orientalin, 1833

3. corset, 1810-50, from Metropolitan Museum of Art | Portrait of Charlotte and Elizabeth Sullivan, daughters of Sir Richard Sullivanby Reinagle Ramsay Richard, 1810

4. corset, 1909, from Metropolitan Museum of Art | photograph, c. 1910-13

5. corset, by Maison Léoty, 1891, from Metropolitan Museum of Art | A Bar at the Folies-Bergere by Edouard Manet, 1882

6. corset, c. 1876, from Metropolitan Museum of Art | On the Thames by James Tissot, c. 1874

7. corset, by Worcester Corset Company, c. 1898, from Metropolitan Museum of Art | Mrs. Ralph Curtis by John Singer Sargent, 1898

Please don’t remove the credits. 


Há 3 semanas with 10.253 notas
originally thelingerieaddict

ughjxnna:

OH MY GOD THIS CARD


Há 3 semanas with 340.758 notas
originally ughjxnna

wickedclothes:

Dandelion Window Locket Necklace

Several dried dandelion seeds rest inside of this window locket. The locket is accompanied with a “wish” charm. Open it up and make your wishes come true. Hung on an 18” chain. Sold on Etsy.

(Fonte: wickedclothes)


Há 3 semanas with 1.343 notas
originally wickedclothes

(Fonte: inspired-for-lifee)


Há 3 semanas with 503 notas
originally inspired-for-lifee
asian:

can i please check my e-meow?

asian:

can i please check my e-meow?


Há 3 semanas with 27.793 notas
originally asian

(Fonte: chefiador)


Há 3 semanas with 19.053 notas
originally chefiador

In the end i want to be standing 

At the beginning with you

(Fonte: blanania)


Há 3 semanas with 10.811 notas
originally blanania

(Fonte: eternaltenderness)


Há 3 semanas with 167.045 notas
originally eternaltenderness
Conheço pessoas que não têm ciúme. E admiro, admiro mesmo. Já ouvi falar que ciúme é sinal de insegurança, que ciúme é imaturidade, que ciúme é bobagem. Já ouvi dizer que ciúme é prova de amor. Olha, eu não sei definir o que é o ciúme, só sei dizer que a gente fica meio cega, meio burra, meio surda e fala muita besteira. E depois se arrepende. Acho que um pouquinho de ciúme é saudável.
Clarissa Corrêa.    (via death-struggle)

(Fonte: NERDBIPOLAR)


Há 3 semanas with 28.734 notas
originally nerdbipolar
Não adianta. Eu nunca vou conseguir tomar sorvete sem me lambuzar feito uma criança de cinco anos. Eu nunca vou aprender a beber café, colocar água na forminha de gelo sem derramar, nem conseguir soltar uma gargalhada um pouco mais baixa. Eu nunca vou deixar de rir da cara daquelas menininhas estúpidas que saem de casa para caçar homens e não veem problema algum em sair dando pra meio mundo afora. Eu nunca vou parar com a mania de roer as unhas ou deixar um pouco de suco de uva no copo. Eu nunca vou deixar de sentir tremores em todos os andares do meu corpo ao perceber que estou sendo encarada por qualquer pessoa que seja. Não adianta, não há solução, não vim com devolução de fábrica. Eu sou assim e ponto. Nunca vou me acostumar em acordar cedo, como também nunca vou me acostumar com o fato de ter mais gente passando fome do que mais gente dando valor ao pouco que possui. Nunca vou entender porque algumas pessoas andam com o nariz empinado como se elas fossem as melhores do mundo, mesmo sabendo que não são. Nunca vou conseguir deixar de bater o dedinho do pé na quina, como também nunca vou conseguir entender o que o locutor de futebol na rádio está narrando. Eu nunca vou deixar de odiar o cheiro de cigarro. Nunca vou aprender a chupar laranja sem fazer algum barulho, como também nunca vou aprender a fazer as malas para uma viajem sem colocar todo o meu guarda roupa lá dentro. Eu nunca vou saber, de fato, receber um elogio. Quando eu não rio de nervoso, rio de ironia. E, ah, eu nunca vou conseguir deixar de ironizar tudo. Nem de falar sério, rindo. Nunca. Eu nunca vou me acostumar com a ideia de que, sim, existe quem seja capaz de maltratar um animal. Eu nunca vou entender porque a população ainda aplaude de pé ou abre a boca pra falar bem de algum político. Eu nunca vou compreender essa sociedade hipócrita em que vivo. Nunca vou conseguir olhar pra minha mãe e não ver a maior heroína de todos os tempos, como também nunca vou conseguir entender como alguém não consegue se afeiçoar a própria mãe. Nunca vou entender qual a tamanha graça em fingir sentimentos, usar pessoas e maltratar corações desamparados. Eu nunca vou ser a favor da aproximação por interesse, como também nunca vou ser contra a sinceridade de cara limpa. Eu nunca vou entender porque eu continuo escrevendo como se soubesse quem sou, mesmo sem saber.
Capitule, eu nunca.    (via nevou)

(Fonte: capitule)


Há 3 semanas with 16.600 notas
originally capitule
1 2 3 4 »
theme by: heloteixeira
theme by: heloísa teixeira